Colunistas

É socióloga e foi professora da Fundação Getulio Vargas até 2019, de onde saiu para se dedicar integralmente à literatura. Nascida em Varginha (MG), passou sua infância e juventude de São Carlos (SP), formou-se em Ciências Sociais pela UNESP/Araraquara, fez mestrado e doutorado na Universidade de São Paulo (USP) com bolsa sanduíche no Massachusetts Institute of Technology (MIT). Foi Pesquisadora Visitante na Universidade de Boston (BU) e fez pós-doutorado na Universidade de Londres (King’s College). Publicou e organizou diversos artigos e livros acadêmicos. A origem da água é seu primeiro livro de ficção. 

É Professora da Pós-Graduação em Literatura, Cultura e Contemporaneidade da PUC-Rio, Cientista do Estado pela FAPERJ e Bolsista de Produtividade no CNPq. Curadora convidada da Bienal de SP 2021. É escritora, autora dos livros Tiráspola e Desaparecimentos, Editora Garupa, 2016, A punhalada, 7Letras, 2016, Todo Mar, Urutau, 2018; colunista da Revista Literária Pessoa, pesquisadora da obra do escritor francês Antonin Artaud, vem desenvolvendo há muitos anos uma investigação sobre os diversos modos de relação entre os corpos e a escrita. Autora do livro Antonin Artaud, EDUERJ, 2016, e com Gabriel Giorgi, Ódios Políticos e Politica do Ódio, RJ: Bazar do Tempo, 2019 e Las Vueltas del ódio, BA: Eterna Cadência, 2020. Organizadora do livro A Perda de Si – cartas de A. Artaud, Rocco, 2017; e das coletâneas: Sobre o Corpo, 7Letras, 2016, Expansões Contemporâneas: literatura e outras formas, com Florência Garramuno, UFMG, 2014, entre outros artigos e ensaios.  Foi curadora, em 2020, da exposição Corte/Relação dos cadernos de Antonin Artaud e de Édouard Glissant. Para a 34ª Bienal de São Paulo. Em 2021, estreou seu primeiro romance O Canto Dela, pela editora Patuá. Fotografada por Dani Neves.

É escritor e professor da pós-graduação da Pós-Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em 2018, publicou o livro de contos Na outra margem, o Leviatã (Lote 42) e em 2017 o livro teórico Narrativas e espaços ficcionais: uma introdução (Editora Mackenzie).

Nasceu em 1981 em Belo Horizonte, Minas Gerais, no Brasil, onde vive. Além de escritor de ficção, é jornalista e servidor da Universidade Federal de Minas Gerais. É mestre (2015) e doutor (2021) em literatura pela Faculdade de Letras da UFMG. Parte da pesquisa de seu doutorado, que resultou em uma tese sobre autoficção que é simultaneamente uma obra de autoficção, foi realizada na Universidade de Coimbra, em Portugal, entre 2018 e 2019, subsidiada por bolsa oferecida pela Fundação Calouste Gulbenkian. Publicou A Grande Marcha (editoras Circuito e e-galáxia, 2014), novela que tem como pano de fundo os protestos políticos brasileiros de junho de 2013, e o infantojuvenil Ficções do minidicionário ou A Guerra Secreta dos Insetos (editora Urutau, 2022), além de contos em revistas e suplementos literários. Venceu a edição de 2018 do Prêmio Literário Cidade de Manaus na categoria Ensaio sobre literatura.

É jornalista e escritora, tem dois filhos e mora em Roma.

Nasceu em Belo Horizonte, é formada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-graduada em Processos Criativos em Palavra e Imagem pela PUC-Minas. Seu livro de estreia, a coletânea de contos Sobre pessoas normais (Ed. Patuá), foi semifinalista do Prêmio Oceanos. Em 2016, foi a autora residente do FOLIO - Festival Literário Internacional de Óbidos, em Portugal. Em 2020 lançou seu primeiro romance, Nem sinal de asas (Ed. Patuá). Fotografada por Rafael Motta.

Natan Schäfer (Ibirama, 1991) é mestre em estudos literários pela Universidade Federal do Paraná e pela Université Lumière Lyon 2. Foi professor do curso de Bacharelado em Artes Visuais da UNESPAR e tradutor convidado nas residências Looren América Latina (Suíça) e Résidence Passa Porta (Bélgica). É autor de Taquaras (Contravento Editorial, 2022) e tradutor de, dentre outros, Por uma insubmissão poética (Sobinfluência, 2022) e La promenade de Vénus (Venus D'Ailleurs, 2022). Atualmente é membro da Psychoanalytische Bibliothek Berlin e responsável pela Contravento Editorial, também assinando a coluna "A Fresta" na página da editora Sobinfluência. Além disso, dá a ver em desenhos, pinturas, escritos e fotografias algo da poesia que lhe atravessa.

Nasceu no Rio de Janeiro, onde vive. Autora de Manual de Tapeçaria, Sortes de Villamor, Pena de Ganso, Cartas do São Francisco: Conversas com Rilke à Beira do Rio, tem publicados ensaios e artigos científicos. Professora da Universidade Federal Fluminense e também tradutora, recebeu vários prêmios por sua obra, dentre os quais o Jabuti, o Prêmio Rio e o Prêmio Brasília de Literatura Infantojuvenil. No site da revista Pessoa, na Coluna Ladrinhos, Nilma publica quinzenalmente trechos das páginas lusófonas do Diário de navegação da palavra escrita na América Latina. O texto  ganhou talhe ficcional para publicação em Mapas de viagem, volume de contos que é fruto  de um projeto de formação de leitores. Ela também contribui com crônicas sobre o universo literário.

Poeta, desenhista, arquiteto e diplomata, nasceu no Rio de Janeiro em 1933. Atualmente vive na Alemanha.

Desenvolvido por:
© Copyright 2022 REVISTAPESSOA.COM