Imagem 1606746461.jpg
Nau

O habitante irreal no labirinto da solidão

Foto: Praia do Laranjal. Pelotas. Divulgação



2020-11-30

Habitante irreal remete a um romance de formação, formação tardia, pois o protagonista, assim como o Brasil, já se encontra “formado” no início da narrativa. E não só: o recomeço de sua vida e do país soa extemporâneo no meio de uma colonização infindável. Em resumo: Habitante irreal é um romance antes, de deformação.

 

O ensaio Nossos dias, de Octavio Paz, começa com estas palavras: “em certo sentido a Revolução [mexicana] recriou a nação; noutro, não menos importante, estendeu-a a raças e classes que nem a Colônia nem o século XIX tinham conseguido incorporar. Mas, apesar de sua fecundidade extraordinária, ela não foi capaz de criar uma ordem vital que fosse, ao mesmo tempo, visão de mundo e fundamento de uma sociedade realmente justa e livre. A Revolução não fez do nosso país uma comunidade, ou sequer uma esperança de comunidade [...] A Revolução é um fenômeno nosso, sim, mas muitas de suas limitações...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 3.50

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


ASSINATURA

DESDE R$ 39.00

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$ 3.50

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


ASSINATURA

DESDE R$ 39.00

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Paula Fábrio

Nasceu em São Paulo, onde mora. É doutora em Literatura pela USP. Autora de Desnorteio (de 2012), romance vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura, e Um dia toparei comigo (de 2015), livro finalista do mesmo prêmio. No corredor dos cobogós (Edições SM) é sua primeira obra juvenil.

 

 




Sugestão de Leitura


Só os poetas me comovem

Nau
  Penso que todo bom poeta deveria escrever uma certidão de óbito.  Conceição Evaristo compôs uma ...

Não leiam delicados este texto

Nau
  “A memória longínqua de uma pátria/ Eterna mas perdida e não sabemos/ Se é passado ou futuro o ...

Da inutilidade de oitenta anos

Nau
  “Basta que se prometa a eternidade para fundar uma religião. Basta que se dê a ordem de matar para que abatam tr&eci ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM