Imagem 1587727825.jpg

A contratempo

Foto: domínio público



2020-04-26

O correr da vida sem maiores pontuações, enquanto os grandes fatos pedem pausa. Justo o que acontece agora, em que a vida experimenta uma grande pausa e as notas fracas ganham uma iluminação desconhecida. Antes desse universal contratempo, era bem comum as notas fracas não contarem com muita atenção para seu potencial papel num bom concerto. Certos modos de vida passariam por desperdício, desatino, excentricidade.

 

Não fui boa aluna de piano.  Filha mais velha de família pequeno-burguesa, os preceitos de classe social precisavam ter o lugar bem marcado. A luta do casal para sustentar uma vida decente com quatro filhos era grande.  Mas a necessidade de menina tocar piano não fugia do horizonte. Sem qualquer consulta prévia, lá fui eu solfejar escalas.  

Não fui má aluna, e o gongo me salvou. Ou meus pais me compravam um piano para estudar ou não adiantava continuar, anunciou a professora após três anos de aulas. Minha mãe, compungida, me colocou o dilema e a escolha. Se eu quisesse...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Nilma Lacerda

Nasceu no Rio de Janeiro, onde vive. Autora de Manual de Tapeçaria, Sortes de Villamor, Pena de Ganso, Cartas do São Francisco: Conversas com Rilke à Beira do Rio, tem publicados ensaios e artigos científicos. Professora da Universidade Federal Fluminense e também tradutora, recebeu vários prêmios por sua obra, dentre os quais o Jabuti, o Prêmio Rio e o Prêmio Brasília de Literatura Infantojuvenil. No site da revista Pessoa, na Coluna Ladrinhos, Nilma publica quinzenalmente trechos das páginas lusófonas do Diário de navegação da palavra escrita na América Latina. O texto  ganhou talhe ficcional para publicação em Mapas de viagem, volume de contos que é fruto  de um projeto de formação de leitores. Ela também contribui com crônicas sobre o universo literário.




Sugestão de Leitura


Em Pirapora, se borda Brasil

  Para Antônia Zulma e sua família bordadeira Rio de Janeiro, 22 de julho de 2022.   Estimado Jamil, estimada ...

Tem, mas não há

  Portugueses não usam gerúndio, não trocam futuro do pretérito por imperfeito, nem futuro do presente por co ...

Héteros de mim

  #nemummais Como Ana Elisa Ribeiro, não mandei minha crônica a tempo. Começada, mas patinando, sem avançar ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2022 REVISTAPESSOA.COM