Imagem nilma-fim-de-agosto-1024x768.jpg

Mandala das linhas frágeis



2013-08-30

Olho o retrato dela no endereço de e-mail, vejo a voz doce, ouço o rosto calmo. Me dou conta da amizade costurada em fruições, silêncios, palavras trocadas em eventos por aí afora. Nos encontramos de novo em junho, em julho, neste agosto. Rio de Janeiro, Goiânia, Salvador. Encontros de certa fugacidade, nem tive tempo de dizer a ela do livro que me acompanha desde muito. Ciça Fittipaldi, A Lenda do Guaraná, mito dos índios Saterê-maué, que me serviu para alfabetizar menino-jovem de 12, 13 anos, que ainda não sabia ler, entendida essa palavra como deve ser. Indignada com a falha da escola, comigo mesma enquanto corpo desta escola, tomei dos livros que tinha na mão, essa lenda, duas outras mais, e Morte e Vida Severina. Li para eles, a voz alta emocionada, “passo a ser o Severino que em vossa presença emigra”. Percebi que havia acertado, por aí iria, por aí fomos. Ao final do ano, liam como deve ser. Escreviam com autonomia e decência. E o corpo do filho da índia Uniaí ofertava-se, uma vez mais, alimento revigorante e regenerativo, para a garotada naquela sala de aula do final dos anos 1980.

Com preguiça de buscar na biblioteca física o livro de Ciça (a noite avança, o dia começou cedo), recorro à biblioteca virtual, e caio em sustos de mim. No site da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil descubro o parecer feito em 1999, para o Programa Nacional Biblioteca da Escola, do MEC. Não me lembrava, não sabia que, procurando o livro, encontrava a declaração de admiração e respeito por uma das artistas mais fiéis a si mesma que conheço.

No vídeo que apresentou recentemente em evento dessa mesma Fundação, Ciça mostra-se bailarina, depois arquiteta, depois ilustradora-mais-que-sensível. E agora Ciça me escreve para dizer “Eu ainda nem acredito que você tenha ido ao nosso encontro em Salvador. Afinal, uma exposição pequena, no circuito universitário”. Pequena, pode ser, e inestimável em valor. Da exposição, falarei em outra hora. Da outra amiga que fui encontrar em Salvador, também. Agora o elogio é só de Ciça, com quem deixei certas linhas frágeis, e das quais me fala, crédula, temerária. Também eu, Ciça, também eu. As linhas frágeis. Nada mais forte. Nada mais ameaçador, empurrão certo para o abismo.

Sem fantasmas, nada se faz, e só o filho tem fantasmas, Barthes alinhava, lembra?

Coalhada dessas linhas, do excesso de gravações nas pedras de minhas moradas, sigo em voo cego. O radar me aponta gente como Ciça, um dos mais significativos traços da cultura brasileira, modesta e una, mandala vislumbrada, antes e agora, no fundo das bacias de águas de anil, em Salvador.    



Nilma Lacerda

Nilma Lacerda nasceu no Rio de Janeiro, onde vive. Autora de Manual de Tapeçaria, Sortes de Villamor, Pena de Ganso, Cartas do São Francisco: Conversas com Rilke à Beira do Rio, tem publicados ensaios e artigos científicos. Professora da Universidade Federal Fluminense e também tradutora, recebeu vários prêmios por sua obra, dentre os quais o Jabuti, o Prêmio Rio e o Prêmio Brasília de Literatura Infantojuvenil. No site da revista Pessoa, na Coluna Ladrinhos, Nilma publica quinzenalmente trechos das páginas lusófonas do Diário de navegação da palavra escrita na América Latina. O texto  ganhou talhe ficcional para publicação em Mapas de viagem, volume de contos que é fruto  de um projeto de formação de leitores. Ela também contribui com crônicas sobre o universo literário.




Sugestão de Leitura


Camões, bom tradutor

  Vou ao cinema, Um segredo em Paris. O título original está bem longe disso: Drôles d’oiseaux. Tem a ver com g ...

Com os dentes, na raiz

Conheci António Salazar por meio de práticas domésticas que, se não matavam ou feriam severamente o corpo, o mesmo n& ...

O bichano experimental

Pelas ruas de Paraty, após a última FLIP, o autor diz que escritores são os outros, e sai em entrevistas a perguntar: &ldquo ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM