Colunistas

Adelaide Ivánova é uma jornalista, fotógrafa, poeta e tradutora brasileira, nascida em Recife em 1982. Lançou os livros autotomy (...) (São Paulo: Pingado-Prés, 2014), Polaróides (Recife: Cesárea, 2014) e O martelo (Lisboa: Douda Correira, 2016; Rio de Janeiro: Garupa, 2017). Vive e trabalha entre Colônia e Berlim, na Alemanha. Foto de Pedro Pinho.

Ana Elisa Ribeiro nasceu em 1975, em Belo Horizonte, cidade onde vive. É autora de livros de poesia, conto, crônica e literatura infantojuvenil, por diversas editoras brasileiras. Bacharel e licenciada em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, onde também se formou mestre e doutora em Estudos Linguísticos. É professora e pesquisadora nos campos da Linguística Aplicada e da Edição, no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.

Professora Associada da Pós-Graduação em Literatura, Cultura e Contemporaneidade da PUC-Rio, escritora, curadora da Exposição ‘Cadernos do Corpo’ (CCJF, 2016), uma das fundadoras da Revista DR, pesquisadora da obra do francês Antonin Artaud. Autora dos livros A punhalada [poesia], (7Letras, 2016, coleção Megamini), Antonin Artaud (EDUERJ, 2016), e das coletâneas Sobre o Corpo (7Letras, 2016), Expansões Contemporâneas – literatura e outras formas (UFMG, 2014), Experiência e Arte Contemporânea (Ed. Circuito, 2013), entre outros artigos e ensaios.

Ana Vidal (Lisboa, 1957) estudou Comunicação, Marketing e Publicidade e já foi jornalista, copywriter, cronista, letrista e outros istas, que uma mulher não cabe numa só pele. Brinca com palavras desde que se conhece, por gosto, impulso e necessidade de equilíbrio. É apaixonada pelo universo da lusofonia, no âmbito do qual gosta de desenvolver projetos. Outras paixões são o mar, as viagens, a música e a cozinha. É membro da Sociedade Portuguesa de Autores e do Pen Clube Português. Tem três livros publicados (nas áreas de poesia, conto e antologia) e outros tantos a fervilhar. Vive em Sintra. Na sua coluna para a revista Pessoa trabalhará o diálogo entre a literatura e as artes plásticas lusófonas.

Carola Saavedra nasceu no Chile, em 1973, e mudou-se para o Brasil com três anos de idade. Morou na Espanha, na França e na Alemanha, onde concluiu um mestrado em Comunicação. Vive no Rio de Janeiro. É autora dos romances Toda terça (Companhia das Letras, 2007), Flores azuis (Companhia das Letras, 2008; eleito melhor romance pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti), e Paisagem com dromedário (Companhia das Letras, 2010, Prêmio Rachel de Queiroz na categoria jovem autor, finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti) e O inventário das coisas ausentes (romance, Companhia das Letras, 2014). Seus livros estão sendo traduzidos para o inglês, francês, espanhol e alemão. Está entre os vinte melhores jovens escritores brasileiros escolhidos pela revista Granta. 

Djaimilia Pereira de Almeida nasceu em Luanda em 1982. Estudou Teoria da Literatura na Universidade de Lisboa. Arrebatou a cena literária portuguesa com "Esse cabelo" (Teorema/Leya, 2015), seu primeiro livro. Vive em Lisboa.

Eloésio Paulo nasceu em Areado, Minas Gerais. Doutorou-se em Letras pela Unicamp em 2004. Publicou Literatura e ideologia em dois romances dos anos 1970 (2014), Os 10 pecados de Paulo Coelho (2007) e Teatro às escuras (1997), além dos livros de poemas Primeiras palavras do mamute degelado (1990), Cogumelos do mais ou menos (2005), Inferno de bolso etc. (2007), Jornal para eremitas (2012) e Homo hereticus (2013). Foi resenhista de O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e O Globo. Pela editora Dubolsinho, publicou em 2010 Parque de impressões, poemas para crianças. No site da revista Pessoa, Eloésio publica resenhas de romances dos séculos XIX e XX, que integrarão seu próximo livro, o Pequeno guia do romance brasileiro.

Fernanda Mira Barros (Lisboa,1967) cursou língua e literatura inglesa e alemã na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É editora dos Livros Cotovia, pequena editora lisboeta de catálogo quase imaculado. É amante de livros, animais e outros seres belos. Ex-tímida, seu lema é: Nunca se sabe.

Joselia Aguiar é jornalista da área de livros. Foi editora da revista EntreLivros, assinou uma coluna de livros na Folha de S.Paulo e é a atual curadora da Festa Literária Internacional de Paraty - FLIP. Em 2017, lança a biografia de Jorge Amado pelo selo Três Estrelas, do Grupo Folha. É mestre e doutoranda em história (USP).

Júlia de Carvalho Hansen é poeta, astróloga e uma das editoras da Chão da Feira. Estudou literatura na Universidade de São Paulo e na Universidade Nova de Lisboa. Tem livros publicados no Brasil e em Portugal, sendo o mais recente deles "Seiva veneno ou fruto" (Chão da Feira, 2016). Estreia em breve coluna na revista Pessoa.

Laura Erber é poeta, romancista, artista visual e doutora em Letras pela PUC/Rio. PublicouInsones (7Letras, 2002), Körper und tage (Merz-Solitude, 2006) com tradução para o alemão de Timo Berger, Celia Misteriosa (Illusion d’optique & Villa Medici, 2007) em parceria com Federico Nicolao e Koo Jeong-A, Os corpos e os dias (Editora de Cultura, 2008), Vazados & Molambos (Editora da casa, 2008), bénédicte vê o mar (Editora da casa, 2011) e  Esquilos de Pavlov (Alfaguara, 2013). Suas obras foram exibidas em diversos museus e centros de arte no Brasil e na Europa.

Luciana Araujo Marques é mestre em Teoria Literária (USP) e doutoranda em Teoria e História Literária (Unicamp). É jornalista e atua no mercado editorial. Está entre os autores selecionados pelo programa Rumos Literatura, do Itaú Cultural, que teve como objetivo apresentar novos nomes da produção crítica brasileira com foco na produção literária contemporânea do Brasil, tendo como resultado a publicação do livro de ensaios "Protocolos Críticos" (2009).

Lucrecia Zappi (Buenos Aires, 1972) é escritora, jornalista e tradutora. Cresceu em São Paulo e fez o colegial na Cidade do México. Cursou artes plásticas na Academia Rietveld (Amsterdam) e mestrado em Criação Literária na NYU. Há dez anos na cidade norte-americana, assina o Diário de Nova York para a Ilustríssima. Seu primeiro livro, Mil-folhas (CosacNaify, SP, 2009), ganhou o prêmio Bologna Ragazzi, em 2011, e o romance Onça Preta (Benvirá, SP, 2013) foi traduzido pela autora para o espanhol. Saiu no México (Pollo Blanco, Guadalajara, 2014) e na Espanha (La Huerta Grande, Madrid, 2015). Acre é seu segundo romance, inédito, e no momento Lucrecia prepara seu terceiro, ainda sem título.

Nilma Lacerda nasceu no Rio de Janeiro, onde vive. Autora de Manual de Tapeçaria, Sortes de Villamor, Pena de Ganso, Cartas do São Francisco: Conversas com Rilke à Beira do Rio, tem publicados ensaios e artigos científicos. Professora da Universidade Federal Fluminense e também tradutora, recebeu vários prêmios por sua obra, dentre os quais o Jabuti, o Prêmio Rio e o Prêmio Brasília de Literatura Infantojuvenil. No site da revista Pessoa, na Coluna Ladrinhos, Nilma publica quinzenalmente trechos das páginas lusófonas do Diário de navegação da palavra escrita na América Latina. O texto  ganhou talhe ficcional para publicação em Mapas de viagem, volume de contos que é fruto  de um projeto de formação de leitores. Ela também contribui com crônicas sobre o universo literário.

Paula Fábrio. Mestre e doutoranda em literatura pela USP, colabora em diversos veículos. Publicou Desnorteio (Patuá, 2012), romance vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura, na categoria melhor livro autor estreante + 40 anos, e Um dia toparei comigo (Foz, 2015). Além de ministrar oficinas de escrita criativa, a autora trabalha no roteiro de seu primeiro longa-metragem. Na revista Pessoa, ela vai coordenar a seção Utopia, que pretende refletir, no aniversário de 500 da publicação, qual o seu lugar hoje.

 

Ricardo Aleixo é poeta, artista visual e sonoro, cantor, compositor, performador, ensaísta e editor. Publicou, entre outros, os livros Impossível como nunca ter tido um rosto (2016), Modelos vivos (2010 – um dos 10 finalistas dos prêmios Portugal Telecom e Jabuti 2011) e Trívio (2001). Integra antologias, coletâneas e edições especiais de revistas e jornais dedicados à difusão da poesia brasileira nos EUA, na Argentina, em Portugal, na França, de País de Gales, em Angola e no México. É curador da Feira de Inutensílios. Edita a revista Roda – Arte e Cultura do Atlântico Negro e a Coleção Elixir, de plaquetes tipográficas. É colunista da Rádio Inconfidência FM. 

Ronaldo Bressane é escritor e jornalista, autor de Sandiliche (Cosac Naify) e Mnemomáquina (Demônio Negro), entre outros. Seu blog é o Impostor, ronaldobressane.com. Na revista Pessoa, ele trata dos transtornos do nosso tempo

Victor Heringer (Rio de Janeiro, 1988) é escritor, autor de Glória (7Letras, 2012, Prêmio Jabuti), O escritor Victor Heringer (7Letras, 2015), Lígia (e-galáxia, 2014), entre outros. Colabora na revista Pessoa desde 2013.

Poeta, desenhista, arquiteto e diplomata, nasceu no Rio de Janeiro em 1933. Atualmente vive na Alemanha.

Desenvolvido por:
© Copyright 2017 REVISTAPESSOA.COM