Imagem 1490091625.jpg

Carta para Violeta

2017-03-08

Acervo do autor


Doña Violeta, señora

quantas vezes não chorei
em seus braços
despejado em seu colo
como no colo de minha mãe
como uma madonna, señora
com meus ais jesuscristinhos.

 

Doña Violeta, señora
quando a conheci yo era niño
"Los cuatro grandes poetas
de Chile son tres:
Gabriela Mistral Pablo Neruda Violeta Parra"
um niño quase-chileno
como quase-brasileiro sou
e quase-tudo vou sendo.

 

Doña Violeta, señora
estou a caminho de Antofagasta
mudarei meu nome para Run-Run e
como na canção, "me voy
sin dar una señal"
nos meus carros de olvido.

 

Doña Violeta, señora
vou para vê-la
mas a senhora morreu muito antes
de eu nascer.



Doña Violeta, señora
no Norte farei a curva
tendo enterrado minhas oferendas
com meu amor desatado no mundo
e o vinho no peito, ¡señora!
não me deixa mais chorar.
A vida não é mentira
mas la muerte es verdade
¡ay ay ay de mi!



Doña Violeta, señora
estou tão feliz
quase criminosamente
feliz.
Todos precisam trabalhar
voltar a seus países e trabalhar
para pagar a próxima volta ao mundo.
Para onde volto eu?

 


Victor Heringer
Victor Heringer (Rio de Janeiro, 1988) é escritor, autor de Glória (7Letras, 2012, Prêmio Jabuti), O escritor Victor Heringer (7Letras, 2015), Lígia (e-galáxia, 2014), entre outros. Colabora na revista Pessoa desde 2013.



Artigos Relacionados


Impressões do Peru

1. Quando eu era menino, queria viver num hipermercado, desses que vendem de iogurte a pneus. Fui crescendo e subindo na pirâmide de necessidades ...

O muro

Esta era a geração que diluiria as fronteiras nacionais. Em vez disso, estão a erguer muros para lhes dar concretude. O muro é a burrice torna ...

A canga é um portento

A canga, meus amigos, meus inimigos, é um portento. No Brasil, o retângulo de pano faz mágica: é tapete na areia, toalha na saída da água, traves ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2017 REVISTAPESSOA.COM