Imagem 1488450324.jpg

Credo

2017-02-28


Cedo me ensinaram a crer em Deus-Pai-todo-poderoso, em Maria-Mãe-sem-mácula (escrevia-Os sempre com maiúscula) e numa vida eterna que haveria - quisesse eu ou não - de levar-me ao paraíso. E um dia, descri.

Depois cri no que queria crer: dediquei ao Amor (escrevia-O sempre com maiúscula) toda a minha ânsia de acreditar. Cri fervorosamente em amores lunares com piano ao fundo e no mundo ocupado pelas rosas, como a Natália. Cri em Amores indestrutíveis, Amores perfeitos, Amores eternos. E um dia, descri.

Mais tarde cri em Mim, com todas as minhas forças cri em Mim, com toda a minha insciência cri em Mim (escrevia-Me sempre com maiúscula), com toda a minha altivez cri em Mim, como se nada houvesse no mundo mais importante do que a minha importantíssima pessoa. E um dia, aprendi.

Hoje creio na sabedoria do acaso, nas ondas e nos ventos mutantes, nos infinitos matizes que há na cor azul. Creio na beleza da música, no sortilégio das palavras, nas horas que passam sem sentido se não lhes dermos um...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM CONTA? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$0,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Voçê pode acessar apenas ao artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com

Ana Vidal
Ana Vidal (Lisboa, 1957) estudou Comunicação, Marketing e Publicidade e já foi jornalista, copywriter, cronista, letrista e outros istas, que uma mulher não cabe numa só pele. Brinca com palavras desde que se conhece, por gosto, impulso e necessidade de equilíbrio. É apaixonada pelo universo da lusofonia, no âmbito do qual gosta de desenvolver projetos. Outras paixões são o mar, as viagens, a música e a cozinha. É membro da Sociedade Portuguesa de Autores e do Pen Clube Português. Tem três livros publicados (nas áreas de poesia, conto e antologia) e outros tantos a fervilhar. Vive em Sintra. Na sua coluna para a revista Pessoa trabalhará o diálogo entre a literatura e as artes plásticas lusófonas.



Artigos Relacionados


A view with no room

Teremos sempre Florença, dirás. E quem sou eu para contradizer-te, se podemos ser, para sempre, dois sôfregos Botticellis lus ...

Brincadeira

Nas lixeiras imundas há crianças que brincam. Nos destroços de um sismo há crianças que brincam. Nas ru& ...

Descobrimento

E eis que um dia o Tejo espreita, cauteloso, por entre as colunas de pedra onde as gaivotas montam sentinela. O cais de tantas partidas, tantas i ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2017 REVISTAPESSOA.COM